MOGNO (MAHOGANY)

By Gustavo Sá Fortes - 15:55


O mogno tornou-se popular para violões pela sua beleza e por ser bem mais barato que outras espécies como jacarandá. O mogno é uma madeira de alta densidade, com muito sustain, média estabilidade, timbre grave e encorpado, grande resistência mecânica; muito utilizada na fabricação de corpo e braço de guitarra e baixos, e fundo e laterais de violões.

Um exemplo do uso do mogno por ser mais barato é o violão Martin D-18 que usa mogno nas laterais e nos fundos enquanto o top de linha Martin D-28 possui traseira e laterais em Jacarandá que é uma madeira cara e protegida por diversas leis de extração. O Mogno, quando usado em violões, possui uma característica de som estridente, não brilhante. Quando usado em instrumentos elétricos, a característica predominante é um som morno, repleto de frequências graves e médias.


Em guitarras elétricas o Mogno se tornou famoso por ser a madeira utilizada nas Gibson Les Paul e em vários modelos da Gibson como a SG. 


Gibson Les Paul sendo fabricada com corpo e braço em Mogno



Na foto vemos o processo de colagem do braço de uma SG e é possível reparar bem na coloração do mogno usado na construção do corpo da guitarra.



Este uso principalmente pela Gibson fez o mogno se tornar um padrão no mercado de guitarras e hoje é muito difícil levar a sério um modelo Les Paul que não seja construído em mogno e diversas empresas passaram a utilizar esta madeira ao longo dos tempos. Nas fotos abaixo vemos alguns exemplos:

Guitarra Cort M 600 com corpo em mogno (é possível ver a figuração da madeira através da pintura)

Violão Ibanez EP-9 Euphoria Steve Vai signature com fundos e laterais em mogno


Guitarra PRS SE Santana com corpo em mogno

Um detalhe interessante sobre o Mogno é que por ter sido muito utilizado não só na construção de guitarras como também na construção de móveis a cor escura desta madeira passou a ser bastante conhecida e se tornou até um padrão comercial em termos de cor. Mas muita gente não sabe que a “cor de mogno” é na verdade conseguida artificialmente. Na natureza o mogno tem uma coloração escura, mas que não é tão escura como a que conhecemos, a madeira adquire a coloração mais escura depois de receber um selador para proteger a madeira como vocês podem ver na foto abaixo tirada na fábrica da Gibson, uma Les Paul com selador e sem selador.

Diferença da cor do Mogno com selador e sem selador


Vemos a mesma diferença na cavidade do captador da SG


O termo Mogno, que era antes utilizado para designar árvores do gênero Swietenia, acabou sendo utilizado para designar a família toda (Meliaceae, a família dos mognos), que contém o gênero Swietenia e outros 49 gêneros. Apesar de vários representantes da família Meliaceae serem chamadas de mogno, apenas uma espécie do gênero Khaya é aceita e comparada ao mogno verdadeiro devido as propriedades de sua madeira.

Entre algumas das variações do Mogno estão o mogno brasileiro e o chamado mogno africano. O mogno é nativo de: Belize, Bolívia, Brasil (Acre, Amazonas, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Tocantins), Colômbia, Costa Rica, Dominica, Equador, El Salvador, Guiana Francesa, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Peru e Venezuela e foi cultivado com sucesso no centro-sul do Brasil e no Caribe.
Portanto, para mogno utilizado em luthieria temos:


- Swietenia mahogoni (Mogno Cubano) – "West Indian mahogany" ou mogno cubano, ocorre no sul da Flórida, Cuba, Jamaica, entre outros



Swietenia macrophylla (Mogno Hondurenho) – "Honduras mahogany" ou mogno Hondurenho, ocorre na costa leste da América central e América do Sul


- Swietenia humilis (Mogno do Pacífico) – "Pacific Coast mahogany" ou mogno da costa do Pacífico, ocorre na costa oeste da América Central e do México



- Swietenia macrophylla (Mogno Brasileiro) - É encontrado na faixa central e oeste do território brasileiro (Acre, Amazonas, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Tocantins).



- Khaya senegalensis (Mogno Africano) – "Senegal mahogany/African mahogany", o mogno africano/senegalense, ocorre na faixa tropical da África.



Um detalhe interessante que se pode perceber é que na verdade o mogno hondurenho do qual se fala tanto em termos de qualidade é na verdade exatamente a mesma espécie do também aclamado mogno brasileiro, o que diferencia na verdade é somente o local de origem da madeira e por isso o nome diferente.

O mogno é uma madeira tão valorizada que é chamada de “ouro verde” pelo seu alto valor no mercado internacional; o metro cúbico de mogno serrado vale hoje, em média, entre US$ 1.200 e US$ 1.400 no mercado internacional, mas custa apenas R$25,00 na floresta, por conta disso a exploração predatória a possibilidade de extinção é uma preocupação constante das autoridades.

Árvore de Mogno na Amazônia


A exploração, o transporte e a comercialização do mogno brasileiro estão suspensos em todo o País desde outubro de 2001, em decorrência da Instrução Normativa 17, editada pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Face às irregularidades encontradas nos projetos de mogno e às enormes apreensões de madeira ilegal realizadas entre outubro e novembro de 2001, durante a Operação Mogno, que teve a participação do Greenpeace, o Ibama editou a Instrução Normativa 22, em 05 de dezembro de 2001, mantendo as suspensões determinadas pela IN 17 e criando condicionantes para a retomada da exploração da espécie.

O Brasil é um dos principais fornecedores de mogno para o mundo e com essas medidas adotadas pelo governo contra a exploração do mogno diversas empresas produtoras de instrumentos musicais começaram a buscar madeiras alternativas ao mogno na construção de guitarras e violões, por isso  a grande corrida e a grande valorização do mogno hondurenho uma vez se trata de mesma espécie, uma outra destas madeiras alternativas é o Nato que tem características muito próximas ao Mogno e tem origem asiática.

Exemplos de guitarra com corpo em Mogno:

Guitarra Gibson Les Paul 50’s Tribute com corpo em mogno

Guitarra Gibson Les Paul Traditional 1960 Zebra Coil

  • Compartilhe:

Você pode curtir também

7 comentários

  1. A Guitarra Cort M 600 usa mogno? Não seria nato? Os asiaticos usam o nato e juram de pé junto que é mogno, como foi dito nesta página, o preço do mogno(de verdade) é muito caro para uma guitarra mais modesta, tem algo errado.

    ResponderExcluir
  2. Tenho um violão fender cd60 serie limitada em mogno o som e fantástico.
    Gostei muito dos detalhes do mogno conforme a luz reflete sobre o instrumento ele da umas ondulações lindas.
    Parabéns para a Fender por faxer esse violão e ainda mas em série limitada.

    ResponderExcluir
  3. Uma dúvida: o mogno africano tem a mesma qualidade do hondurenho e brasileiro?

    ResponderExcluir
  4. Uma dúvida: o mogno africano tem a mesma qualidade do hondurenho e brasileiro?

    ResponderExcluir
  5. Muito bem explicado, pois, pessoas com eu leiga no assunto, geralmente é enganado por não conhecer a madeira do instrumento que se está comprando. Fui na loja pessoalmente ano passado, mas não demorei muito, devido eu está em lua de mel, mas volto aí pra comprar na próxima vez. Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Olá.. Tenho uma Les Paul feita por um luthier brasileiro que comprei em 1989. Minha primeira guitarra. Estou reformando ela e agora que toda as tintas antigas foram retiradas queria saber com qual madeira ela foi feita. Tenho fotos aqui. Teria como enviar para vc me ajudar na identificação? Agradeço desde já.

    Abs

    Clayton

    ResponderExcluir