HISTÓRIA DOS CAPTADORES (em edição)

By Leonardo Bizzo - 08:44

História dos captadores



        A conexão entre os instrumentos de cordas e a eletricidade são exploradas desde o final do século 19, mais pouco se sabe sobre seus primeiros experimentos. Em 1919 o poder de uma nova tecnologia para a amplificação do som foi usada através de ondas de rádio, e em 1920 com a introdução dos alto-falantes.



         
George Beauchamp
       
    
Adolph Rickenbacker
                 


         A historia dos captadores começa com Adolph Rickenbacker, que foi um engenheiro suiço-americano, que co-fundou a empresa Rickenbacker , juntamente com George Beauchamp e Paul Barth. A partir do final dos anos 1920, sua empresa "Manufacturing Rickenbacker" fez guitarras Lap Steel, também conhecida como guitarra Havaiana, para a Corporação Nacional de Instrumentos.

           Através dessa conexão ele conheceu George Beauchamp e Paul Barth, e em 1931 eles fundaram a Companhia "Ro-Pat-In". Em 1932 eles criarão as versões das primeiras guitarras Lap Steel em Alumínio.
Em 1931, Beauchamp começou a fazer experimentos com Paul Barth, para desenvolver um captador adequado para a amplificação da guitarra elétrica em seu laboratório. Beauchamp e Rickenbacker, depois de muita experimentação, inventaram um dispositivo eletromagnético que captava as vibrações das cordas da guitarra com grande clareza. Funcionava assim: em um captador magnético, um ímã estende um campo magnético sob as cordas. Quando este campo é atingido pela vibração das cordas, que são feitas a partir de materiais magnéticos tais como o níquel,cobre, alumínio, entre outros, as variações resultantes são convertidas por uma bobina em torno do ímã em um sinal elétrico fraco que é enviado a uma saída de som para aumentar o nível. Esse é o principio básico que é usado até hoje! Resumidamente: os eletroímãs convertem as vibrações em um sinal elétrico que é amplificado e reproduzido pelos alto-falantes.

Guitarra Lap Steel




                                                               versão anterior da Lap stell


  No captador Rickenbacker a bobina está sob as cordas, enquanto dois ímãs enormes, com uma força atrativa moderada, se estendem sobre ele em uma forma de uma ferradura (a partir daqui o apelido dado a esta unidade). Seis peças de polos cilíndricos no interior da bobina em que transmite o fluxo magnético no sentido das cordas. George Beauchamp, na verdade, tentou diversas soluções  antes de encontrar a final: alguns desenhos mostram captadores com os ímãs paralelos às cordas e duas bobinas, uma em cima e outra sob as cordas.
   

Captador "Ferradura" Rickenbacker

  
                                                        Captador "Ferradura" Rickenbacker



   O Sucesso levou a inúmeras tentativas de imitação. O objetivo, logo foi alcançado, e o captador Rickenbacker foi logo copiado por outros fabricantes. Apenas a Epiphone naquela época tinha poder para produzir uma unidade semelhante.

O lap steel estava na moda e as vendas dos instrumentos de Rickenbacker, Supro e Epiphone, estavam ofuscando a venda das guitarras dos modelos Resophonics da Fender, fazendo assim, com que Gibson, prestasse mais atenção nas novidades do mercado. Sendo assim, Gibson contou com a  experiência de uma empresa de Chicago, Lyon & amp; Healy, que deu ao seu engenheiro John Kutalek o trabalho de projetar uma Captador com a ajuda de Alvino Rey, um guitarrista de lap steel popular.





Violão Resophonics


Depois de vários meses de investigação e de designs marcantes ainda assim, era indisponíveis um modelo de captação. Sendo assim a Gibson estava decidido a encontrar uma solução por conta própria. Seu empregado Walter Fuller, um especialista em eletrônica, foi escolhido para resolver o problema. O resultado foi um captador magnético estruturado de forma muito diferente da unidade Beauchamp e em conformidade com o desejo da Gibson para evitar infringir a patente Rickenbacker.
           O campo magnético para o captador foi criado por duas barras magnéticas, feita a partir de uma liga que contém 36% de cobalto e aço, com os polos opostos nas laterais mais curtas, consequentemente transferindo o campo magnético para as cordas. Posteriormente batizado de "Charlie Christian" famoso guitarrista de jazz da época, responsável pela popularidade do modelo, utilizados na famosa Gibson ES 150.








Charlie Christian com a Gibson ES-150, com captadores "Charlie Christian"


     Em 1939 G.B Jonas, especialista em eletrônica,  inventou um novo tipo de ímã, feita a partir de uma liga de alumínio, níquel, cobalto e outros elementos em percentual que varia, além de aço, de ferro.

   O ímã,  chamado "Alnico" derivado das iniciais de seus componentes principais ( alumínio, níquel e cobre) tinha um fluxo magnético mais forte do que o cobalto e aço usados anteriormente, e estava disponível em uma variedade de dimensões.

     Logo tornou-se o padrão na fabricação de alto-falante e captadores. Outra grande inovação foi um parafuso que ajustava a altura dos polos dos ímãs.

     Em outubro de 1940 Walter Fuller, na Gibson, colocou dois Alnico sob a bobina, por meio do qual, seis polos ajustáveis transferia o fluxo magnético em direção das cordas, assim projetando um modelo menos volumoso que foi mais eficiente do que as unidades anteriores, e foi terminada por uma tampa metálica.

    A bobina foi a mesma que a dos últimos captadores "Charlie Christian", embora os novos ímãs produziam mais saída, reforçava as frequências médias e  graves, enquanto a sua posição próxima à ponte enfatizou seu timbre claro.
     Em uma tentativa de adquirir um som mais "acústico", um novo modelo foi criado por volta do final de 1940. Este captador, foi montado na diagonal e se estendia desde a escala (lado grave) a para a ponte (lado agudo), com duas partes de ímãs sob a bobina longa.



Gibson ES- 300 com captador diagonal



                             
O longo captador diagonal não foi bem sucedido e foi substituído por um novo modelo, semelhante à versão de 1939, com apenas dois ímãs. Este foi montado perto da ponte e ligeiramente inclinada.



          Gibson ES-300 com captador diagonal modificado


Em 1946 os novos captadores Gibson receberam uma nova tampa de plástico preto, com "orelhas" distintas em ambas as extremidades, através dos quais dois parafusos fixados ao corpo da guitarra (a capa é apelidado de "orelha do cão"). O novo captador, nomeado como PU-90, foi introduzido. Ele tinha as mesmas especificações técnicas do modelo diagonal curto, idênticos aos de metal, mas foi posicionado perto da escala, posição do braço. O design deste modelo teve dois ímãs Alnico e uma bobina de enrolamento de 10 mil voltas de fio AWG 42 Plain Enamel, foram feitas com apenas um ímã e não há peças de polos ajustáveis.





Gibson ES 5 com P-90




        Este modelo Gibson, comercialmente conhecido como P-90, tinham um nível de saída mais elevada do que qualquer captador do seu tempo e um som que foi bem equilibrado entre quente e o agressivo.
        Um novo item, nesse mesmo ano foi creditado a Ted McCarty, um escudo para guitarra semi acústicas que foram equipados com um ou dois captadores e controles de volume e tom. Eles também tinham pequenos potenciômetros menores por causa da redução do espaço. Os captadores eram planos, com uma grande bobina de altura reduzida, feita com 25% menos voltas do que em um P 90 normal, com seis Alnico cilíndricos ímãs inserido através da bobina.
Comparado a um P 90 os captadores "McCarty" eram mais brilhantes e tinha um ataque mais acentuado, mas mesmo assim tinha o som inconfundível da Gibson.



Gibson L7 com P 90 versão Ted McCarty


Ao mesmo tempo, na Califórnia, Leo Fender estava se preparando para entrar na competição com uma guitarra que forçaria todos os fabricantes de instrumentos a pensar melhor as suas ideias sobre a concepção da guitarras elétricas.

  Em 1947, Paul Bigsby fez algumas guitarras de corpo sólido com um headstock semelhante mais tarde do que seria a nossa atual stratocaster, com seis tarraxas em linha. Os captadores feitos por Bigsby foram semelhantes aos do Gibson P 90 normal, mas com os dois Alnicos colocados verticalmente para os lados da bobina, e com uma folha de ferro sobre a base que transferia o fluxo magnético para o pedaço de pólo no interior do enrolamento. a polaridade vai em direção das cordas.



Fender Broadcaster com captador feito por Paul Bigsby

                       
 Mas Leo Fender, naquela época, ainda estava trabalhando em seus Lap steels, para os quais os novos captadores estavam sendo projetados. Simples, relativamente barato de produzir e,comparado ao modelo Rickenbacker.


Captador Fender Lap steels


                           
Depois de várias experiências realizadas com ímans de diferentes formas e dimensões, encontrada uma solução que permaneceu como a base de quase todos os modelos que mais tarde seriam concebidos.
Com esta construção Fender conseguiu seu projeto produzindo assim uma guitarra com o som claro e completo de um lap steel.
O primeiro modelo de produção foi um instrumento de um captador chamado "Esquire", em seguida, o modelo de dois captadores chamado Broadcaster, logo mais tarde renomeado para Telecaster.


  Fender Telecaster 1967 com os captadores Fender completos.


Após o sucesso da Telecaster, Gibson estava convencido de que a guitarra de corpo sólido não podia mais ser ignorada, e introduziu a Les Paul em 1952.

 Eletricamente, no entanto, não houve alterações, como os controles de volume e tonalidade,foram os mesmos que eram utilizados na maioria dos modelos de semi-acústica.

A única diferença foi na moldura dos P 90 , que eram retangulares, eram sem as "orelhas", e eram de cor creme em vez de preto. Os P 90 com este tipo de tampa  eram conhecidos como "barras de sabão"ou Soapbar.




 Gibson Les Paul 1952 com P 90 na cor creme


Em 1954, Leo Fender anunciou uma nova guitarra, a Stratocaster, com várias novidades, como um sistema de ponte / vibrato, que se tornaria um padrão da empresa neste modelo.

 Desta vez, os captadores foram idênticos para qualquer posição, e tinha uma estrutura semelhante à dos modelos Telecaster, com um calibre de fio 42 AWG para a bobina, com uma resistência de 6 kOhms, seis imans cilíndricos, sem placa inferior metálica e uma capa branca.
Os captadores, a chave de três posições para a escolha do captador e os potenciômetros foram todos montados sobre um grande escudo e os ímans foram posicionados,cada um a alturas diferentes para compensar a saída variada das cordas.




Fender Stratocaster 1954



                                            

Em 1950 DeArmond produzido um modelo elétrico com um parafuso paralelo para cada um dos seis Alnico, a fim de ajustar a sua altura, uma característica que tornou a unidade mais avançada do tempo.

Uma bobina com cerca de 9000 voltas de fio AWG 44, para uma resistência de 12 kOhms, deu-lhe uma abundância de energia e o timbre era claro, mas doce. Ele tinha qualidades, tais como uma boa pegada pela baixa saída, o que é por isso que este modelo ainda é amado incondicionalmente  por muitos músicos.

Modelo 200 como foi chamado, o captador se tornou um equipamento de série de guitarras feitas pela Gretsch, que em seus folhetos rebatizou Fidelatone e mais tarde Dynasonic.





      Guitarra Gretsch com captador feito por De Armond o intituládo "200"



Com uma gama cada vez maior de guitarras, Gibson sentiu que era hora de introduzir um novo modelo de pickup.
Considerando o sucesso do DeArmond, Gibson decidiu voltar a lutar pela introdução de um modelo mais refinado do P 90, que foi capaz de dar uma classe extra ao modelo.
A pickup "Alnico", como era conhecido, tinha um som semelhante ao P 90, mas tinha uma saída mais alta e um som mais brilhante. O novo modelo também foi escolhido para um novo tipo de guitarra, o corpo oco fino, projetado para Billy Byrd e Hank Garland, daí o nome Byrdland.




Gibson Byrdland com captadores "Alnico"

                       
A pickup "Alnico" excede as expectativas de Gibson, mas o seu inventor Seth Lover verifica o seu voo em direção ao sucesso através da produção de um modelo ainda melhor: o captador humbucking.


Captador Humbucker


Como o poder dos amplificadores foram aumentando, músicos tiveram que enfrentar outro problema com seus captadores: sensibilidade excessiva a fontes de interferência externas, como luzes do palco e transformadores, produziu "hum". Ciente do problema, Gibson escolheu Seth Lover para encontrar uma solução para este excesso de sensibilidade. E em 1955, Lover projetou, um captador, que foi imediatamente patenteado para o projeto de pesquisa realizado para reduzir o zumbido em amplificadores, melhorou muito.

 Duas bobinas foram ligadas em série fora de fase, com um íman M55 na parte inferior, e os campos magnéticos opostos transferidos para seis peças de pólos em cada bobina. Desta forma, os sons que cruzavam os enrolamentos ficaram fora de fase e, portanto, cancelada.
O novo modelo, codificada como PU 490, foi nomeado de "humbucking". O fio utilizado foi o mesmo que o utilizado no P 90 (10000 voltas de AWG 42 ), porém dividida em duas bobinas (5000 voltas em cada um) com uma resistência de 8 kOhms (+/- 20%)
Já em 1954 um outro fabricante, Rickenbacker tinha introduzido o combo-800, uma guitarra com um captador de ferradura (duas bobinas; enfatizando as frequências graves). Quando ambas as bobinas eram selecionadas você tinha "humbucking",ou seja, sem ruídos.




Rickenbacker Combo 800



Tudo isso levou Gibson se apressar, a fim de manter os concorrentes para trás, de modo que o novo modelo teve de ser colocado no mercado sem esperar ser patenteado.
Para proteger a sua invenção, Gibson colocou um rótulo, com as palavras "patente solicitada", na base de cada unidade.



Captador PAF Gibson com  rótulo de patente

                  
   Captador Humbucker Gibson Les Paul 1957


                         

 McCarty também deu a sua atenção para a extremidade inferior do mercado, e, em 1959, uma nova guitarra sólida foi introduzida, a Melody Maker. Semelhante a uma Les Paul, o novo modelo tinha um corpo mais fino e um novo captador.

A unidade, já em uso em algumas guitarras Lap Steel, teve uma bobina com 15% menos voltas do que P 90 e um ímã de barra M 56, um pouco menor do que a M 55 usado em modelos P90 e humbucking. A bobina usada nas unidades anteriores foi feita de fibra , substituído durante os anos sessenta por uma fibra de nylon.



Gibson Melody Maker


Fender também, no final dos anos cinquenta, introduziu novos modelos de guitarra, naturalmente equipados com novos projetos de captação. Em 1956, o Duosonic, um modelo de gama baixa, chegou com dois captadores semelhantes à unidade da Stratocaster, uma tampa de plástico sem os furos superiores, o que tornou os pólos invisível.



Fender Duosonic

                                                  
 Em 1958, a top de linha era a Jazzmaster, uma guitarra pretendente a ser a favorita dos guitarristas de jazz, com captadores semelhantes a um P 90, mas construído com haste diretos dos ímãs.




Fender Jazzmaster 1958

                                      

Em seguida, em 1962, vem a Jaguar, um modelo de 24 casas, 3/4 cm de escala com uma nova unidade semelhante à usada para a stratocaster, mas com um anel metálico em torno da bobina reforçava o campo magnético para melhores sonoridades.






Fender Jaguar 1962



                                         
Em 1957 Gibson adquirido por um preço de pechincha de US $ 200.000, Epiphone, seu concorrente de longa data e fabricante de guitarras semi-acústicas.

Enquanto Seth Lover foi convidado para projetar uma nova unidade com base em seu humbucking de sucesso para as guitarras de alto nível. É possível que, a fim de distinguir instrumentos feitos para Epiphone, e instrumentos feitos para Gibson, o novo captador foi menor em questão de tamanho do que o humbucker normal, com um pouco menos voltas nas bobinas menores e as peças de pólos de parafuso sem cabeça ajustável.

 Conhecido como o mini-humbucking, o novo modelo tinha uma saída inferior, em comparação com o Humbucker da Gibson, mas era mais brilhante,  pelo menos parcialmente, com os modelos anteriores da Epiphone. Como no humbucking Gibson, as unidades  Epiphone tinha o "Patent Applied For" etiqueta na base.

Em 1963 Gibson produziu a série Firebird, uma linha de guitarras que visavam lutar contra a concorrência da Fender, na medida em que imagem e som foram cada vez ficando mais procurados pelo publico.

As bobinas foram idênticas às do modelo mini humbucking , mas sem peças de pólos ajustáveis. Duas barras ligeiramente menor de Alnico foram inseridos diretamente nas bobinas, para maior ataque e brilho. Com seu aspecto distinto, som brilhante, mas elegante, pickups originais e vários acabamentos personalizados em oferta, a linha Firebird representou o último dos grandes projetos da era McCarty.





Gibson Firebird com captadores mini humbucking


                       

 Outro variante de mini-humbucking foi o captador  "Johnny Smith" guitarra semi-acústica, bastante similar com o captador Gibson, mas com deslocamento dos pólos.
Sendo vendido para outras empresas como a Harmony, que a usaram em alguns modelos da guitarra Silvertone que estavam fazendo naquela época.




Guitarra Silverstone com captadores Johnny Smith


 
Entre 1952 e 1959, Guild, fundada por ex-funcionários da Epiphone, estavam utilizando várias versões de um captador semelhante ao P 90, mas de qualidade inferior. Estes foram feitos por uma fábrica em Chicago, enquanto a parte top de linha de instrumentos foram equipados com um modelo DeArmond semelhante ao utilizado pela Gretsch mas sem polos ajustáveis. Na maioria dos modelos semi acústico a amplificação foi fornecida pelo DeArmond M-1000, de captadores em presos no final escala.

No final de 1970, um novo humbucking produzido pela Gibson o HB-1,foi logo utilizado substituindo assim o antigo modelo. Ele foi um pouco maior, bem semelhante ao modelo antigo, com três parafusos no anel de montagem, permitindo o ajuste de altura e inclinação no topo da guitarra.




Seth Lover



Em 1970 Seth Lover, que tinha deixado Gibson em 1967, tendo recebido uma oferta melhor da Fender, foi convidado para projetar um captador humbucking para a marca agora CBS .

 Lover, em vez de tentar emular o som quente dos captadores Gibson, decidiu projetar um modelo com o tom brilhante associada ao nome Fender, mas sem "hum".
A solução foi uma captador feito com doze Cunife ( Cunife é feita a partir de uma liga de cobre, níquel e aço ).

ímãs usados como parafusos, diretamente inseridos nas bobinas de nylon.
Três destes polos da tampa, sob a E(Mi), as cordas A(La) e D(Re) na bobina mais próxima do braço, enquanto que os ímans referentes a G(sol), B(Si) e E(Mi) cordas agudas são captadas a partir da outra bobina.
Os restantes dos ímãs foram de cabeça para baixo, escondido sob a capa. Desta forma, os seis pólos eram ajustáveis ​​e deslocados sob as cordas.



Captador feito por Seth Lover para Fender



O novo modelo tornou-se equipamentos padrão em três guitarras Telecaster: o Thinline, Custom e Deluxe. Em 1976 Fender introduziu a Starcaster, uma guitarra semi-sólido no estilo ES 335, com dois dos captadores humbucking  projetados por Lover.




  Fender Starcaster com captadores de Lover

                          



Em 1969, Gibson também introduziu novos pickups, as unidades de baixa impedância usados ​​na Les Paul Professional depois montado no Les Paul Pessoal, Les Paul Recording, Les Paul Jumbo, Les Paul Bass e Les Paul Signature.

Captadores de baixa impedância eram favoritos os de Les Paul(Lester Polfuss) por seu som limpo e aptidão para a injeção direta para a entrada de placas de estúdio de mixagem. No entanto, era necessário um transformador quando usado com amplificadores normais de alta impedância.
Eles foram humbucking mas em vez de lado a lado, as bobinas foram colocados um sobre o outro, um sistema popular hoje em muitos Single Coil . As mesmas bobinas também foram usadas na ES 325 guitarra e contrabaixo Ripper, ambos instrumentos de alta impedância.




Gibson Les Paul Professional


Na era do "Led Zeppelin" e "Cream" um som limpo não foi o mais procurado, e guitarras concebidas para o estúdio,não eram muito populares utilização em palco.

Em 1973, a série SG foi renovada com um novo upgrade: O Super Humbucking. Pela primeira vez, os captadores de braço e ponte tinha especificações diferentes, para uma faixa de saída e de tons mais ampla. Para a parte magnética foram utilizados cerâmica e toda a unidade foi embutida numa resina dura para evitar re-alimentação. A tampa de metal tradicional feito o Super Humbucking indistinguível do modelo padrão com ímã Alnico.



Gibson SG com os Super humbuckers

                                  

Mas, enquanto Gibson experimentava captadores de baixa impedância ou tentou voar em altas frequências com o Super Humbucking, enquanto a Fender tinha grandes esperanças para os novos modelos Telecaster, a música estava mudando graças à união do hard rock e jazz.
Isso produziu um tom pesado, saturado, o oposto do que o oferecido pelas marcas clássicas. Os requisitos dos músicos, posteriormente, seriam atendidas pelos recém-chegados, os proprietários de pequenas empresas, como Larry DiMarzio.



Larry DiMarzio



Era o início de uma nova onda de pensamento, que tentaram expandir a versatilidade do instrumento. Fender, em 1974, finalmente fez uma chave de cinco posições, permitindo conexões braço / meio / ponte . Até este momento, para comprar uma guitarra implicava aceitar a escolha do fabricante para captadores e recursos eletrônicos, apenas alguns profissionais foram capazes de obter as outros captadores ou o circuito modificado para sons diferentes, no entanto, a situação estava prestes a mudar com a chegada de novo construtor de recolhimento, de origem italiana, Larry DiMarzio.


 O primeiro modelo produzido foi o Super Distortion (1972), um humbucker diferente do projetado pela Gibson, que tinha um poderoso ímã de cerâmica, doze pólos e bobinas de corda em excesso, para uma resistência D. C ligeiramente superior a 13 kOhms. O som estava cheio e um pico de ressonância a 6850 Hz deu um brilho suficiente para as altas frequências.



Captador Super Distortion


                                
 Em 1974, o modelo Paf foi adicionado, e não foi uma reprodução fiel do modelo clássico Gibson , mas sim, uma versão mais poderosa e som mais brilhante do que o humbucker padrão da Gibson , devido ao Alnico 5 ímãs com dimensões M55. 
 Pensando para a Stratocaster houve o FS-1, Fat Strat (1974), soa com mais saída e mais completa do que o Fender original. Em 1977, o Super 2 apareceu, uma versão mais brilhante do Super Distortion, e em 1978 o X2N, que era mais poderoso, e tinha três ímãs de cerâmica e grandes peças de pólo.


Dimarzio FS-1

                                           

Nesse mesmo ano, o SDS-1 foi introduzido, um modelo feito para se encaixar em um escudo Stratocaster mas com uma estrutura semelhante a um P 90, com dois imãs cerâmicos sob a bobina e seis parafusos Allen , para um timbre semelhante ao Super distortion. Foi para que os músicos de Stratocaster poderia obter mais potência e um som mais forte. No mesmo ano, o Pré B-1 chegou, um captador para guitarra Telecaster , sem uma placa metálica na base, produzindo um tom mais quente e mais médios.

Dimarzio SDS - 1


                                    
Dimarzio Pre- B-1



                          

 Os captadores DiMarzio foram um sucesso imediato e foram usados por guitarristas como Roy Buchanan, Al Di Meola, Allan Holdsworth, Albert Lee, Steve Hackett e muitos outros.
Em 1976 Schecter começou a produzir seu próprio modelo, baseado no design Fender,porem, mais versátil. Este captador utilizava da nova tendência, que seriam os "Push -Pull"permitindo então ficar fora de fase e conseguir sons de single coil.

 Sua ideia era enrolar uma bobina para uma saída semelhante a de um captador normal, o tom era semelhante a um modelo Fender, e tinha aquele som brilhante bem característico, mas quando a segunda saída era selecionada, era dado um som mais forte, com mais volume: o "tapped pickup" como foi nomeado, nasceu.



Captador "tapped" da Schecter



Outro modelo de sucesso a partir da Schecter foi o humbucking Super Rock,  oferecido com três ou quatro cabos de saída do condutor e os potenciômetros "Push-Pull".


No final dos anos setenta, Gibson parecia ter encontrado novas inspirações e introduziu novos modelos, como os "Dirty Fingers" e o "Velvet Brick", que foram pickups de saídas altas com ímãs de cerâmica.



Gibson Dirty Fingers
                          
Gibson Velvet Brick



Outro modelo era o "True Blues", com três ímãs de cerâmica e uma resistência de apenas 6 kOhms para um som muito brilhante, montado na guitarra L6-S, com um circuito concebido por Bill Lawrence.

Outros modelos de captação foram o "V" unidade  para a Flying V II, com ímãs de cerâmica, uma reprodução do antigo P 90 com Alnico 5 ímãs, um mini humbucking para guitarras semi-acústicas, mas os guitarristas não se impressionarão muito com nenhum desses captadores na época.
Bill Lawrence, que trabalhou não só para gibson, mas também para Gretsch, produziu sua linha de captadores, com peças de pólo de lâmina e um tom poderoso, mas agudo, como a bobina dupla L 500, com um fluxo magnético baixo para melhor sustentação do som, o L 250, que tinha as bobinas de um em cima do outro para caber em guitarras single coil. A L 350, foi um humbucking mais tradicionalmente olhando com peças de pólo parafuso.



  Bill Lawrence L 100

                                       
Captadores ativos tornou-se mais popular e o líder era EMG. mas outros fabricantes tinham vindo a propor este tipo de projeto por um longo tempo. Um deles foi Alambique.


Captadores EMG

                                          
Seymour Duncan, que costumava trabalhar para Schecter,  Fender, Soundhouse em Londres. Fez captadores para guitarristas famosos como  Jeff Beck e outros, ganhou uma posição de nome no mercado fazendo uma série de modelos tão bem sucedida que ele se tornou tão popular como DiMarzio.

Seymor Duncan


O primeiro modelo Duncan para fazê-lo tão bem sucedido foi o modelo JB, com base em um montado em uma Telecaster usado para gravar "Cause We've Ended As Lovers" para o "Blow by Blow" álbum de Jeff Beck.



Seymour Duncan JB SH-4

                                     
A produção do modelo JB e do modelo 59 , escolhido para Randy Rhoads tornou-se o par clássico para um guitarrista de rock.

Para os guitarristas de rock moderno havia o Distortion e modelos personalizados, bem como o poderoso Invader, que teve ímãs de cerâmica e peças de pólo grandes para a transferência de energia máxima.
  Seymour Duncan Invader SH-8

                         
O sucesso comercial das empresas mais pequenas tomou as grandes corporações de surpresa. Fender e Gibson tentaram responder com suas Custom Shop, mas a sua liderança no campo parecia ter sido  perdida. Como DiMarzio disse uma vez, "- para produzir bons pickups é uma área especializada, mas espero que as grandes empresas possam continuar a fazer bons instrumentos, espero, de fato!"

Na década de oitenta o mercado "vintage" continuou a crescer. Instrumentos das principais marcas feitas cerca de antes de 1965, foram procurados pelos guitarristas, bem como os colecionadores.

 A Cultura sobre o assunto foi crescendo muito, graças a revistas e livros como "Guitar Player" Tom Wheeler de "The Guitar Book" (1972, edição revista em 1978) e "American Guitars"

A competição com os seus próprios modelos mais antigos e de novas empresas que oferecem instrumentos inspirados no passado, como Hamer, Paul Reed Smith e Heritage, empurrou Fender e Gibson para fazer um esforço sério para relançar as qualidades dos modelos antigos, incluindo captadores.
Durante os anos oitenta Gibson continuou a realizar pesquisas sobre os modelos antigos, melhorando seus modelos como as especialmente Les Paul 1959 reedições.




Gibson Les Paul 1959 (Re-edição)

                                      
No decorrer da década de noventa, as réplicas mais exatas foram arquivadas na classe "High Class Historic Collection Series", introduzindo versões descompromissada de todos os modelos 50s, feitas na Custom Shop.

O resultado de tal prática investigadora foi o clássico captador 57, uma boa cópia do humbucker original, com alnico 2 M55 ímã tamanho, AWG 42 fio.

Com, 57 Classic, Gibson produziu seu melhor captador já que em tentativas anteriores.
Em breve uma versão um pouco mais potente, o 57 Classic Plus, foi lançado.

 Fender também prestou mais atenção aos ímãs utilizados, melhorando as já boas reedições.
Enquanto isso, mais e mais modelos foram sendo adicionados aos catálogos Duncan e DiMarzio,
DiMarzio teve um impressionante número de modelos, como a Zona Tone, o Cruiser, o PAF série Pro e Air, com redução de fluxo magnético para ter mais sustain.

Também foi ampliado a série "Signature", com modelos para Steve Vai (Steves Especial e The Breed), Yngwie Malmsteen e Steve Blucher projetados pickups para o violão "Eddie Van Halen" feita por Music Man.

Duncan copiou quase todos os modelos já produzido pela Fender e Gibson (exceto o "Charlie Christian", o primeiro modelo ES 125 e a Melody Maker). Ele também acrescentou versões "quentes": os poderosos modelos "Pound Quarter" e humbuckers de grande potência, e o "Custom" feito sob encomenda, (com ímãs de Alnico) , um modelo Alnico 2.

 Gibson lançou o Burstbucker, desenhado para reproduzir os captadores PAF com bobinas ligeiramente irregulares, oferecido em três versões diferentes ligeiramente na saída. Semelhante é o "Legend", de Wolfetone, disponível com "novo" ou "vintage" look. Uma boa versão PAF também é o "imperial" de Lollar, que também oferece bons substitutos para Lollar.

Nunca antes, na história da guitarra elétrica, teve o guitarrista teve tão vastas possibilidades para personalizar seu instrumento e certamente ainda há mais por vir.

  • Compartilhe:

Você pode curtir também

0 comentários